16.3.15

O mar |




Cresci junto ao mar, cresci literalmente dentro de água. Quando nos mudámos para Portugal alojámo-nos bem pertinho da Linha de Cascais e ainda me lembro dos fins de semana na praia de Carcavelos e da colónia de férias da creche na praia do Guincho. Se não passava o verão em Lisboa era porque estava na terra dos meus avós e lembro-me tão bem da rotina: almoçar bem cedo, pegar no carro e ir para Peniche. "Não podes ir para a água, tens de esperar três horas para fazer a digestão" - Era o seu discurso diário. Mas controlar a vontade de me atirar ao mar era quase impossível. Hoje em dia é do que sinto mais falta, ver o mar, estar perto e sentir o cheiro da maresia. Hoje em dia conto pelos dedos das mãos as minhas idas à praia no verão. Assim que o sol se solta e vejo uma inundação de fotografias por estas bandas percebo a saudade que eu tenho do mar e de viver tão perto deste tom azul 

10 comments:

  1. Também vim morar para a linha em pequenina, tinha seis anos na altura. Vivo no centro histórico de paço de arcos e não podia estar mais apaixonada pela zona e pela vila de oeiras. A proximidade do mar também só me trouxe coisas boas e acho que vou ter muitas saudades do sem fim azul, do cantar das gaivotas, o zunir dos barcos em dias de nevoeiro...

    Gostei muito das fotografias! Estão lindas, nostálgicas!

    Um beijinho,
    Sara Cabido | Little Tiny Pieces of Me

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigado!
      Vivendo numa cidade os arranhacéus fazem sombra e bem longe do mar, fico sempre nostálgica quando vejo os instagrams e o blogs carregadinhos de fotografias de praia. :)

      Delete
  2. Oh, recebeste o meu último comentário ou não ficou? Não tinha o login feito! :'(

    Mas o que disse, foi mais ou menos isto:

    Cresci nos Açores e na Madeira. Os meus pais mudaram-se para as ilhas era eu uma bebé e o mar era parte do meu dia-a-dia. Via-o logo de manhã, via-o quando ia a pé para a escola ou quando descia a avenida de carro. Aquela vista ao fundo era a minha vista e a minha paz. Depois, fui para Braga. Ofir, Esposende, era lá que íamos para lhe sentirmos o cheiro, para o vermos. Ele esperava por nós a vinte minutos! Aqui, estou longe. Há os canais, os lagos, mas não é a mesma coisa. O meu mar é o meu mar e é dele que tenho mais saudades logo depois das "gentes da minha terra".

    Fotografias lindas, que cores! <3

    ReplyDelete
    Replies
    1. É díficil viver em zonas só de cimento. Aqui temos os dois rios na zona este e oeste mas não é de todo a mesma coisa. Podia ir a Coney Island e ver a praia, mas não é de todo a mesma coisa. O nosso mar é qualquer coisa!

      As cores do analógico <3

      Delete
  3. O mar é uma das coisas que também sinto falta por aqui, apesar de ter o rio Tamisa sempre por perto nunca é o mesmo. Tenho saudades do mar... As fotografias estão lindíssimas!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigado! Sim aqui temos os rios mas não sabe ao mesmo.

      Delete
  4. Que fotos tão lindas! Tenho tantas saudades do mar...

    ReplyDelete
  5. Acho que a saudade não é só do mar... Não sinto o mesmo numa outra costa que não a minha. É o cheiro a Portugal, os letreiros em português, a voz da mãe ou da avó a dizer que ainda não fizemos a digestão. Bem sei porque é que esta coisa da saudade é tão nossa. De outra forma não faria sentido. Fotos liiiiiindas!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sim, o nosso mar português tem algo de diferente. O sol, o cheiro, a luz, a areia, tudo.

      Obrigado :)

      Delete

© OHH, HELLO Maira Gall.